domingo, março 01, 2009

Jorge Palma nas Caldas da Rainha

"Foi um grande auditório repleto que ouviu Jorge Palma no Dia dos Namorados no CCC. O cantor deu um excelente concerto e, além das novas canções de “Voo Nocturno”, entoou várias das suas baladas clássicas que encantaram o público.
Palma vive hoje uma boa fase de reconhecimento do seu enorme talento como músico e compositor.
O concerto porém, não começou bem. Uma avaria técnica relacionada com a iluminação colocou o público a aguardar uma hora a mais do que o previsto, à espera da reposição do necessário equipamento.
Quando enfim o espectáculo teve início, Jorge Palma arrancou com “Essa Miúda” e, numa sessão quase sem tempo para respirar, interpretou “Acorda Menina Linda”, “Eu fui um lobo Malvado” e o “Bairro do Amor”. Esta primeira série permitiu-lhe fazer as pazes com o público caldense que entretanto começava a esquecer a forçada hora de espera.
Palma foi por vezes acompanhado só à viola por Vicente, juntando depois o acordeão de Gabriel Gomes (Madredeus e Sétima Legião ) e, mais tarde, os três músicos que compõem os Demitidos.
Seguiram-se outras canções como “Dormia tão sossegada”, o “Voo Nocturno” e “Quarteto da Corda”. Sempre à espera dos clássicos, Palma brindou o público com “Só”, Escuridão”, “Dá-me Lume”, “Norte” e Estrela do Mar”. E o concerto prosseguiu com o artista a intercalar novos temas com outros, já considerados clássicos, e que acabavam sempre por arrancar as palmas mais sonoras.
Ao músico não foi difícil despertar emoções, cantando, à viola ou ao piano. “Eternamente Tu”, “Maçã de Junho”, Deixa-me Rir” e sobretudo “Encosta-te a mim” levaram o público caldense ao rubro. Foram interpretadas mais de duas dezenas de canções.
Jorge Palma é um dos melhores compositores da actualidade e detentor de uma voz única. No CCC, o público pôde confirmar todas estas características. Afinal, ele é quase como um “Bob Dylan português”, conforme comparou José Morais (director da Produtores Associados). “No dia em que o Palma deixar de ser assim, perde metade da genialidade”, afirmou no final da actuação. Não foi possível falar com o cantor que se queixou de ter ficado com a voz muito cansada, mas a Palma perdoa-se tudo em nome da sua criatividade musical.
José Morais tem acompanhado Jorge Palma nesta digressão que já dura há um ano e meio, com mais de 90 espectáculos. Segundo o produtor, a digressão tem sido um verdadeiro sucesso e até em Moçambique há numerosos fãs que cantam em coro as suas canções."
Artigo de Natasha Narciso, in Gazeta das Caldas

2 comentários:

AR disse...

Pra já, o Bob Dylan é que é o Palma americano, lol ;)

(Ah! e Raínha não tem acentoooo)

Eternamente Jorge!!

***bjus

Rodolfo Barros disse...

Fui ver este concerto do Palma e simplesmente adorei, foi lindo.
Só é pena "aquele lado" dele, mas como muitos dizem perdia-se a essência.