sábado, novembro 15, 2008

Último Metro - Reportagem

Da janela do comboio, com a mala da máquina fotográfica a abarrotar de panfletos, já na minha cabeça surgia uma imagem daquilo que poderia ser a dimensão do espectáculo da noite de ontem.
Chegado a Entrecampos, avistava-se ao longe, o laranja reluzente, dos tijolinhos que cobrem as paredes do Campo Pequeno.
À entrada, embora fosse cedo, já estava um aglomerado de gente, que ia entrando lentamente enquanto apagava o ultimo cigarro.
Entrámos também. E depois de ter as mãos cheias de publicidade, era chegada altura de procurar um bom lugar para assistir, a este final de época de sucesso.

-Campo pequeno, o balanço de um ano, de uma carreira, um pouco de tudo, um crescendo musical.
Mais uma vez, uma história.
Na sala podia sentir-se, a pairar no ar, o perfume Palmaníaco. O espaço foi-se deixando encher à medida que o tempo passava. Muito embora não se tenha preenchido por completo, pode dizer-se, no entanto, que estava bem composto.
O palco, como prometido, circular. Ao centro do círculo uma parte mais elevada, giratória, contendo o piano como não poderia deixar de ser. Á roda num patamar mais baixo, o espaço para todos os outros instrumentos.


À medida que o tempo ia passando, o público, entusiasta, chamava por Palma, ao som de palmas e assobios.
E eis que os mais de três ecrãs gigantes, junto ao tecto, se acendem ao Som de "Casa do Capitão" com a cara do tão ansiado Jorge Palma. Mostrando o artista a ser saudado pela sua equipa antes do espectáculo. De face serena e feliz, Jorge ia abraçando cada amigo, fitando o palco no horizonte.
Primeiro entraram os seus companheiros de estrada, os Demitidos, que arrancam ao ritmo frenético de “Dormia tão sossegada” introduzindo desta forma o homem da noite que entrou em cena de seguida. Cheio de garra, com vontade de tocar e de encantar, assertivo…

Num alinhamento um tanto ao quanto (felizmente) diferente daquilo a que ultimamente nos temos habituado, fizeram-se seguir temas como: “Rosa Branca”,” Voo Nocturno”, “Tempo dos Assassinos”,”Só” (um momento muito aplaudido) que precedia outro aplaudido ainda de forma mais entusiasta:” Balada de Um estranho” acompanhada ao saxofone como na sua versão de estúdio, algo que soube muito bem ouvir após tanto tempo ausente dos alinhamentos.

Mas, em termos de novidades não ficámos por aqui, as "Ala da Sombra, e do Sol" denominadas assim por alguém dividiam-se em gritos de incentivo: “Palma!! Jorge!! És o maior!!.. e, em pedidos de diversos temas da obra do cantautor.

Palma seguiu o alinhamento à risca, o elaborado espectáculo não permitia grandes fugas. Mas ninguém pôde dizer-se descontente.
Após “Balada de um Estranho”, entra Tim, convidado de Palma, merecedor do carinho de todos, dividindo a meias com este, o seu ”Fado do Encontro”, num momento muito ovacionado pela plateia.


Seguiram-se: “Minha Senhora da Solidão” e “Escuridão”.


Depois chegou o tempo de Palma dar um pouco de descanso à sua faceta rock, e de nos presentear com o que tem de melhor, a solo, ao piano.
A sala em tons de azul, o publico em silêncio, um foco sobre o homem, só, em palco, pronto para desafiar as teclas do piano para mais um jogo.
Algures pude ouvir um conselho: “Imagina que o vais ouvir, sentada num bar, com um piano”

“Quem és tu de novo?”, ” Dizem que não sabiam quem era”, e eis que surge um grande momento, algo assombroso (senti assim) o Fim, monumental, palavras para quê. O tema em si puxou pelo grito profundo de todos os que sentem Palma. A interpretação excepcional, as palmas de satisfação pelo arrepio, pelo sonho, pela morte das saudades deste tema que se sente cá dentro.

Seguiu-se” Estrela do Mar”, também muito ovacionada.
Logo após, eis que entra Vicente Palma, aplaudido fortemente, querido de todos, “Com os mesmos genes que não degeneraram nem um pouco” – alguém comentou – um talento, inconfundível.
Com o seu nome a ser entoado por varias gentes, abraçou o pai, e com ele trouxe até ao palco, o fora da Lei “Jeremias”.

Na especial noite de ontem, Jorge Palma poude contar com convidados, também eles especiais como: Filipe Valentim, teclista dos Rádio Macau; Gabriel Gomes (acordeão) e Edgar Caramelo (saxofones).


Seguiram-se “Abrir o sinal”, ”Gaivota dos Alteirinhos” ,“Bairro do Amor” e “Canção de Lisboa”. Depois chamou-se um outro convidado, grande amigo de Jorge, aquele, "em que no seu carro não se fuma", assim o apresentou Palma, de seu nome João Gil, que partilhou o palco com este num outro grande momento da noite – “Senta-te aí” - tema recuperado dos Rio Grande, com letra de João Monge.
Despediram-se de beijo, debaixo de aplausos, enquanto os Demitidos se reposicionavam no palco para arrancar com o famoso "Encosta-te a Mim".
Cantado a plenos pulmões, pela plateia em geral.

Seguiram-se: “Vermelho Redundante” de Carlos Tê, e “Quarteto de Cordas”.
E depois, os palmaníacos, já satisfeitos com o teor do alinhamento, ainda ouviram, quase sem pausas os seguintes temas : "Dá-me Lume,"Deixa-me rir," "Frágil" e "Disse Fêmea", mais uma vez, palavras para quê? Seguiram-se “Olá” e “Portugal Portugal”, este ultimo, um tema muito pedido, e muito apreciado por diversas pessoas que gritaram de contentamento no início deste.

Depois, Palma saíu, e, alguns elementos de “backstage” subiram mesmo ao palco dando a ideia de que o concerto poderia acabar ali, o que fez com que algumas pessoas abandonassem a sala, já felizes, cantarolando mentalmente o “Enconsta-te a Mim”, muito provavelmente.

Contudo, o público não desistiu de chamar pelo Jorge, que para espanto de alguns, de outros nem tanto, Voltou! Trouxe com ele mais seis momentos de plena força: ”Cara d’Anjo Mau”,” Finalmente a Sós”e “A Gente vai continuar”, chegando assim ao fim do primeiro encore, que não precisou de esperar pelo início do segundo, e, logo de seguida, para terminar em beleza apelando ao calor do rock como forma de encerramento do espectáculo que durou mais de 2 horas e 30 minutos, vieram, “Picado pelas Abelhas” e “Like a Rolling Stone” tema de Bob Dylan.

Jorge Palma, alcançou assim, o objectivo pretendido para a memorável noite do Campo Pequeno, e conseguiu trazer até aos seus fãs o sabor especial, que não tinha conseguido fazer chegar de outra feita, nos Coliseus.
Um desenrolar perfeito de temas escolhidos acertadamente, que poderiam ser muitos, muitos mais, como o próprio disse: “ Teria de estar a tocar durante dez horas seguidas”. Provavelmente iam ser as melhores horas da vida de muita gente. E, no fim, aquilo que sobrasse da plateia, quem ainda restasse sentado, estaria certamente em redor do piano a ouvi-lo, pronto para dizer: - Obrigado Jorge, por tudo, prontos para seguir cantando a sua obra, deliciados com cada pormenor. Prontos para o abraçar numa outra aventura qualquer,

Enquanto houver estrada para andar…

Até já, não, até Sempre!

----------------#----------------------------------#-----------------------------------------#

O Blogue Palmaníaco aproveitou a ocasião para distribuir panfletos com o objectivo de promover a sua visualização. Agradecemos a forma como todos receberam bem a iniciativa e os comentários de pessoas que elogiaram o blogue, dizendo já o conhecer.
De destacar a heterogeneidade do publico, que vai desde pequenos até graúdos. E para surpresa alguns dos pequenos (na casa dos 10 anos) conhecem bem alguns dos temas mais antigos e calhou em conversa saber que um dos temas preferidos de um dos jovens é mesmo o “Deixa-me Rir”, inesperado não.
Nota negativa para o som, que estava com muito ruído e pouco nítido - alvo de muitas queixas.
Até o próprio Jorge teve direito a panfleto, e recebendo-nos, como sempre muito bem após o concerto,aproveitou para agradecer ao Blogue todo o esforço e dedicação, destacando que estamos sempre em cima do acontecimento.

Obrigado Nós.

Abraço especial a Vicente Palma - obrigado por tudo - !

Obs:Amanhã será inserido neste mesmo post um link para 99 fotos exclusivas em full screen.
Obrigado Rita e Gustavo pelo resto da distribuição, bem mais proveitosa que a nossa, aparentemente.


o nosso "cartão de visita"


18 comentários:

Pipas disse...

Se o concerto tivesse as regras da tourada, o Jorge saía em ombros com 2 orelhas e rabo cortado. Não foi bom, não foi óptimo, foi apenas...Jorge Palma. O Jorge não sabe estar mal mesmo quando está menos bem. Continua a fazer poesia mesmo quando se engana. Há dois anos assisti ao concerto no casino Estoril e a minha mulher estava grávida de 8 meses. Hoje o meu filho já me pede para por o "joge Pama" no computador. Obrigado Jorge. Genial.

Anónimo disse...

Podiam estar mais ensaiados...mais entrecruzados...a banda não parecia estar a soar uniformemente...o gajo do acordeão andou a pescar notas a noite toda (sempre ao lado), muito descontraído como se de uma jam session se tratasse. então no bairrro do amor e na canção de lisboa mais valia terem cortado o som do acordeão, uma desafinação total, enervou-me profundamente.
Um investimento tão elevado que concerteza não será o melhor registo para editar em DVD. Pena!

DL

AR disse...

O grande Jorge teve lá, com as suas calças de cabedal à Jim Morrison e a camisinha à Jimi Hendrix. O espaço é giro, a acústica não é perfeita. Ele teve lá, é isso que interessa. Foi bom, Jorge é sempre BOM!

CLÍMAX DA NOITE - O FIM! SEM DÚVIDA! Tem de haver sempre aquele momento, em qualquer concerto, seja ele mau ou bom, em que quase ficamos com lágrimas nos olhos.

;)

BACKSTAGE E PALMANÍACOS RULAM!

André: calquei Lx a pé e entreguei pessoalmente praticamente todos os flyers. Agora podemos esperar aqui mais de 6000 visitas por dia, ahaha!

************
bjinhooosss

AR disse...

Ah! E Vicente em grande forma! =D Cada vez a tocar mais e melhor!

Tiago disse...

Parece que se trabalhou bem após o concerto hehehe:)

Coinz disse...

Como não pude estar no concerto...fiz questão de o gravar...se algum palmaniaco estiver interessado em recordar enquanto não sai o DVD é só dizer...

Podia ter chegado às 35 musicas...mas pronto!

Cumps

Pêndulo disse...

Bem... desta vez alguém se antecipou com as belas fotos :))

huuummm... porque é que eu não soube de nada da publicidade?? realmente, o tempo tem sido muito pouco para me dedicar aos blogues, mas vocês sabiam que eu ia ao Campo Pequeno... embora tenha chegado tarde, porque trabalhei até às 18h e ainda tive 2h de viagem, talvez pudesse ter ajudado em alguma coisinha...

...mas ainda bem que isto está activo, porque de facto o meu tempo ultimamente é muito reduzido...

...se precisarem de mais fotos, tenho mais umas 80... mas creio que as que há já são mais que suficientes, não??

Quanto ao concerto, foi fabuloso - era o concerto dos meus sonhos, se tivesse o Mifá e o Trapézio... bem gritei ainda, mas... não se pode ter tudo... nota negativa: o Campo Pequeno tem uma acústica péssima, especialmente se a sala estiver meia... e a nota divertida, foi ver a malta do "Encosta-te", em perfeita debandada... muito me ri eu (quase que ia caindo da cadeira), com a pobreza de espírito de muito boa gente... "bem aventurados" os sortudos, porque ou têm uma carteira recheada, ou ganharam os bilhetes na "farinha amparo"...

André disse...

Olá Nanda,não fazia ideia que ias. Só soube no fim quando falei ao telefone com o Tiago.
Foi pena não nos termos encontrados.
Estive lá eu e o Gustavo.
Quanto às fotos eu vou fazer um apanhado de tudo em full screen, concerteza que deves ter fotos de ângulos diferentes dos meus, se poderes envia-me depois.

Foi mesmo um grande "prato", ver toda a gente que se ia levantando.
Se eu fosse o Palma nem tocava o Encosta-te a Mim.

r.calhau disse...

Este post é mesmo para fazer inveja a que não foi...aliás, é tortura!...lol
Vi parte do concerto no portal da "iol música"...estava a ouvir mais ou menos distraído e quando toca os primeiros acordes da "balaa de um estranho" ficou logo tudo estragado, foi quando percebi que ía ser um grande espectáculo, com todas as musicas que nos são especiais, e eu não ía lá estar :(
Fico ansiosamente à espera do DVD, que pelo que vi vai valer muito a pena...
Afinal quantas músicas foram tocadas?...

Beijos e Abraços a todos...

André disse...

Ricardo, ainda bem que gostaste da reportagem. Foram cerca de 33 temas. Foi em grande - muito bom.
=)
Agradeço todos os comentários.

Anónimo disse...

Foi bom...não foi em grande, nem fabuloso - reflectamos em conjunto com a distância necessária para se perceber a essência do resultado do concerto. Sinto que a malta ainda está muito eufórica e sensível para conseguir tirar conclusões não precipitadas.

DL

Anónimo disse...

Olá! Estive lá e ainda bem! Foi bom, aliás excelente! Do espectáculo apenas tenho a referir a distância do palco aos sectores, com excesso de espaço da palteia, vergonhosamente despida!!! Enfim, fora este pormenor, o Jorge este muito bem, boa voz, excelente cumplicidade e uma felicidade brutal estampada no rosto.

Pois é, ele é único naquilo que faz (pelo menos eu assim o acho desde sempre). temos muito poucos artistas tão completos como o Jorge! Acho que o espectáculo esteve ao seu nível e ao nível do seu público.

Por acaso tive meia duzia de malta que se pirou após o tão esperado encosta-te a mim...xiça e ainda bem, é que não paravam de matraquear o tempo todo!!!
Parabéns Jorge e obrigada por 2,5h de tão boa música e companhia!!!

AnaC

aimagemdosom disse...

Espreitem os meus registos do Campo Pequeno

http://aimagemdosom2008.blogspot.com

http://www.myspace.com/iacprod

O Jorge é Enorme.
Abraços

Maurette disse...

André, que bela reportagem! O Tiago sempre me fala muito de ti, de tua dedicação, de teu empenho. Espero que nos encontremos aí na terrinha quando eu puder voltar!
Não vi o concerto pelo site IOL por distração pura. Foi pena!Mas no dia seguinte já tinha relatos muito bacanas de familiares do Jorge, presentes à festa. Me mandaram uma foto linda da entrada do Campo Pequeno - "em grande", como vocês dizem - com um poster gigante e iluminado, emoldurado por duas torres do patrocinador. Fiquei emocionada, o Jorge realmente é um artista especial, além de um amigo do coração! E vocês estão fazendo do Palmaníaco um espaço absolutamente único, com muita competência. De coração, eu estava lá! Um grande beijo, sucesso e contem comigo para o que der e vier!
Maurette

André disse...

Obrigado Maurette! Isso é que foi um elogio - em grande - !
O Tiago exagera certamente. Não fosse ele, onde é que este espaço já tinha ido parar. É sempre bom saber que há alguém a ver o nosso trabalho do outro lado do atlântico.

André
=)

Anónimo disse...

Viva,

Ja agora o post com as 99 fotos? Já está no site? é que nao encontro...

André disse...

Ainda não está e peço por isso imensa desculpa. Mas por questões de tempo ainda não me foi possível cumprir essa parte.
Assim que possível vão estar.
=) - Algum interesse em especial?

Arcuense disse...

Estive lá sim senhor, magnífico como sempre! Não esperava outra coisa.. só mesmo maior afluência.
Foi a 4ª vez que o vi, por onde ando e ele lá está não o perco!
Depois de Paredes de Coura, Arcos de Valdevez, Leiria e agora Campo Pequeno, este foi de facto um concerto com contornos diferentes. De salientar que o prefiro ver a solo com o seu Vicente do que com os amigis/colegas de estrada, no entanto é só o meu ponto de vista.
Abraço a todos, força no blog!