domingo, abril 20, 2008

Jorge Palma no Fórum Luísa Todi

Diz-se por aí que o concerto era de angariação de fundos para obras no Luísa Todi, pode até ter sido, mas na noite de ontem, Jorge Palma, incendiou o Luísa Todi. Não sobrou nada! Tal não foi o momento, que apenas pode ser descrito por quem lá esteve.

O Jorge entrou sereno, bem vestido, camisa vermelha e calças pretas. Andou a passos largos até ao microfone, olhou o público, e colocaram-lhe uma guitarra nas mãos. Todos esperavam, qualquer uma das suas musicas, os mais conhecedores talvez esperassem que dali saí-se "O meu amor existe". Mas não. O Jorge transforma-se num "irish men", para presentear o público com "I Never Will Play the Wild Rover No More". Um momento único ao qual se seguiram muitos outros. Um concerto que contou com um Palma com rasgos de génio e de originalidade.

Por momentos me perguntei, se não estaria a ver um concerto de piano/jazz. O Jorge deu um espectáculo, sentado ao piano, brincou com ele, numa mistura de sonoridades única. A sala viu Jorge Palma, a relatar uma espécie de discussão conjugal ao piano, em que a mão esquerda representava o homem, possivelmente, de voz grave, e a direita a mulher. Foi hilariante o momento, Palma, tocando e relatando: " falam aqui e ali, encontram-se em Dó Central...", algo inédito e inesquecível. As mãos fortes e ágeis, corriam o piano frenéticamente, houve tempo para escalas, e para tocar com toda uma palma da mão. Poderia perder-me em inúmeras descrições para tentar fazer chegar a vós o que realmente aconteceu ali, naquela sala de espéctaculos, mas nada, por melhor que fosse escrito, seria suficientemente representativo, nem conseguiria transmitir a magia que se fez sentir ontem em Setúbal.

Todas as canções foram interpretadas de forma diferente, o que deu nova força a temas como "Finalmente a sós" ou "Frágil".

Já com Vicente em Palco, alguém gritou - " És lindo Vicente", Palma olhou para o filho e disse: - "Sim é lindo... mas e então e a experiência, já não conta nada?" -" O gajo já dá mais autógrafos que eu... (risos)" Foi a gargalhada geral, num dos muitos momentos descontraídos, em que Palma fez rir o público. De destacar a interacção entre pai e filho que resulta na perfeição em temas como "Abrir o Sinal", que deixam a plateia maravilhada.

Depois de ouvir "Frágil", um ponto forte, uma interpretação fantástica, avassaladora, compreendi na plenitude o porquê de estar ali sentado naquela sala, o coração bateu mais forte e mais uma vez soube e senti o que é Jorge Palma, o que é ser palmaníaco.


Aqui fica o alinhamento do concerto:

Wild rover no more
O meu amor existe (meu amor agora não fiques para aí a dormir)
Tempo dos assassinos
Voo Nocturno

Disse Fêmea
Acordar Tarde
Valsa dum Homem Carente
Finalmente a Sós
Quem és tu de novo?
Estrela do Mar

--------Entra Vicente------------

Abrir o Sinal
Bairro do Amor
Jeremias o fora da lei
Dormia tão sossegada
Maçã de Junho
Terra dos Sonhos
Encosta-te a mim
Vermelho Redundante
O Centro Comercial fechou
Tama-ra
Frágil

------------encore----------------

Canção de Lisboa
Dá-me lume
Deixa-me rir
Agente Vai Continuar


Fotos Gentilmente Cedidas por João Fernandes

2 comentários:

Anónimo disse...

Grande concerto, quero mais....

SÉRGIO disse...

muito sinceramente achei que o JORGE esteve mt bem mas poderia estar mt melhor caso fosse ajudado pelo público
se a câmara não distribuisse tantos bilhetes os fãs poderiam estar em maior número e poderiam ensinar aos restantes o que é estar num concerto de JP

como é possível???? O JP acabou uma música começou os acordes da próxima e ninguém deu por nada

ver JP não é estar imávido e sereno é acima de tudo viver momentosmuito intensos interagindo com o Senhor que está lá em cima e que tanto gosta que o acompanhem e batam palmas ao som da sua música

de alguém que acompanha o JP há mt tempo e viu mts concertos nas mais variadas salas so país desde as Queimas aos Coliseus, passando pelas Ilhas e, nunca vi nada assim... que coisa sem sal