quinta-feira, setembro 20, 2007

Jorge Palma no Metro

Aqui vai um alinhamento, desta vez ordenado:

- Tempo dos Assassinos
- Dormia tão sossesaga
- Voo Nocturno
- Só
- Vermelho Redundante
- Norte
- Disse Fêmea
- Frágil
- Dá-me Lume
- Encosta-te a mim
- Cara de anjo mau
- Rosa Branca
- Portugal, Portugal

- Finalmente a Sós
- A gente vai continuar

As primeiras duas fotos são da autoria de André Sebastião.











A Rosa Branca..




"Mais de 500 pessoas pararam na estação de metro do Cais do Sodré, em Lisboa, para ouvir Jorge Palma, trinta anos depois de o músico ter vagueado por palcos idênticos na Europa.
Na véspera de apresentação do álbum "Voo Nocturno", em Sintra, Jorge Palma actuou hoje naquela estação de metro no âmbito da Semana da Mobilidade.
Quem esperava ver Jorge Palma acompanhado apenas de uma guitarra acústica, encontrou-o no meio d´Os Demitidos, os músicos que o têm acompanhado ao vivo e com quem gravou o último álbum.
O concerto apanhou muitos utentes do metro desprevenidos, a avaliar pelas caras de surpresa e pela quantidade de máquinas fotográficas e telemóveis à procura da melhor imagem.
A escadaria central da estação repartia-se entre os que se assistiam ao concerto sentados nos degraus e os que chegavam e partiam para os diferentes destinos.
O concerto, que começou cerca das 17:30, coincidiu com o horário de maior movimento na estação de metro, provocando alguns congestionamentos.
Ao longo de uma hora, Jorge Palma apresentou temas de "Voo Nocturno", entre os quais o single "Encosta-te a mim", intercalados com algumas das suas canções mais conhecidas, como "Dá-me Lume", "Portugal, Portugal", "Só" e "Frágil", numa toada funk.
No final do concerto, Jorge Palma admitiu à agência Lusa que não esperava tanta gente.
"Fiquei altamente surpreendido e isto acabou por ser um concerto a sério", disse, recordando que a actuação de hoje está muito longe dos tempos em que tocou sozinho, apenas à guitarra, em metros e esplanadas de Paris, em finais dos anos setenta.
"Eram tempos de um descomprometimento total, não tinha de estar preocupado com nada e não sabia se no dia seguinte acordava com dinheiro", recordou o autor de "O bairro do amor".
A actuação de hoje foi também uma espécie de aquecimento para o concerto que Jorge Palma e Os Demitidos dão sexta-feira no Centro Cultural Olga Cadaval, em Sintra, para apresentar ao vivo o álbum "Voo Nocturno", editado em Junho.
Com Palma e Os Demitidos estarão ainda em palco os músicos Gabriel Gomes, Pedro Vidal, Pedro Sotiri e Vicente Palma, filho do músico."

In http://www.rtp.pt/ (fonte- Agência Lusa)

9 comentários:

Mariana disse...

tava com o andré no concerto x) epah, brutal mesmo : DD **

viva o Palma!

Miguel disse...

Lindo! Palma no seu melhor:) é como o vinho do Porto! Força mestre!

Gonçalo Figueiredo Augusto disse...

Excelente! Grande concerto! Fotos melhores do que as da Agência Lusa ;-)

Pedro_Costa disse...

É nestas alturas que so me ocorre uma frase:

- Foda-se! Porque é que eu não sou de Lisboa e não estava naquela estação??!

Estefânia Reis disse...

:'( ainda nem acredito que não consegui ir ver.. Maldita escolha de horários..

Ana disse...

Foi genial!

João C. disse...

Alguem por aqui foi ao Olga Cadaval? Caramba... eu estive lá, mas... até tenho receio de dizer o que sinto. Que se passou com o Jorge afinal? Julgo que toda a sala ficou com a mesma ideia que eu: o Jorge não aparentava estar sóbrio, voltou ao visual "Palma's Gang", foi incapaz de articular qualquer frase decente com o publico, não soube agarrar a audiencia, desfez-se em caretas, esgares e mimices infantis pondo o publico que me rodeava a rir de incredulidade, foi bebendo de uma bebida enlatada não identificada durante todo o concerto (imagino que o publico não tenha pensado que era Ice Tea), por vezes parecia perdido em palco, esqueceu-se da letra do "Estrela do Mar" a meio da canção, no 'encore' toca apenas o "deixa-me rir" e desaparece de seguida, quando todos esperavam mais... enfim ... musicalmente foi bom, mas apenas morno, e acima de tudo, triste. Não é este Jorge que a maquina promocional me tem estado a vender. Este esteve muito perto do Jorge á beira do abismo de há uns anos atrás. Ainda musicalmente genial, mas ... triste de ver. Foi pena. Especialmente porque não era no Metro. Era num auditório a sério, a 25 euros cada bilhete. E quem paga assim merece respeito. Gostava de ler mais opiniões de quem lá tenha estado.

ÁguaDiCoco disse...

as fotos estão excelentes!!
claro que a irreverência do modelo ajuda...

Cândida disse...

clap-clap-clap


Palma(s)!